domingo, 6 de maio de 2018

Apocalipse em Daniel


O gênero ‘apocalíptico’  foi um estilo literário que se destacou principalmente entre os anos 210 a.C. e 200 d.C. Seu ambiente de origem era uma época de tribulação para povo de Deus. Diante de circunstâncias que incluíam opressão, perseguição, exílio ou domínio estrangeiro, os escritos apocalípticos traziam uma mensagem de esperança através de uma linguagem enigmática. Seu objetivo era reanimar judeus ou cristãos, trazendo-lhes profecias a respeito da futura intervenção divina para libertar o seu povo, restituindo-lhe a glória usurpada.
Se desenvolveu também quando Antíoco Epifânio IV governava a Palestina (175-164 a.C.). Foi um tempo de grande opressão do povo judeu, pois Antíoco Epifânio tentou introduzir a cultura e religiosidade grega à força. Nesse tempo difícil o povo judeu se lembrou das promessas de salvação de Deus dadas pelos profetas. O objetivo dos livros da literatura apocalíptica era dar respostas ao povo judeu tão oprimido.
O livro de Daniel é o principal modelo de literatura apocalíptica. Este foi escrito durante o exílio Babilônico e trazia uma mensagem sobre o Reino de Deus que viria destruindo todos os reinos opressores. Um dos momentos de opressão vividos por Israel foi o domínio romano, produzindo assim mais uma ocasião propícia a esse tipo de literatura, que muitas vezes incluía profecias messiânicas.
Os livros da literatura apocalíptica pretendem revelar os mistérios sobre o desenrolar da história e do fim do mundo. Os profetas do AT recebiam aquilo que precisavam dizer por inspiração divina, e em muitos casos a sua mensagem estava relacionada com os fatos políticos, econômicos e religiosos do seu dia-a-dia. Por outro lado, recebiam também mensagens que são dirigidas aos acontecimentos do futuro. Anunciam o juízo de Deus e a salvação no fim dos tempos.

Apocalipse em Daniel. (Babilôina / Medo-Pérsia / Grécia / Roma)
Daniel 2: 1-13. O sonho de Nabucodonosor e a exigência da interpretação.
Daniel 2: 14-30. Daniel recebe a revelação do sonho.
Daniel 2: 31-45. O sonho e sua interpretação.
(Daniel 2: 44-45) – O Reino de Deus.

Daniel 7: 1-8. A visão dos quatro animais.
Daniel 7: 9-14. (O Reino de Deus sobre o reino dos homens)
Daniel 7: 15-28. (A vitória final do Reino de Deus)

Apocalipse em Daniel (Medo-Pérsia / Grécia / Grécia dividida em quatro reinos)
Daniel 8: 1-7. Guerra entre a Medo-Pérsia e Grécia.
Daniel 8: 8-14. Antíoco IV Epifanes – General grego que entrou em Jerusalém
I Macabeus 1: 1-10. (175 a C). I Macabeus 1: 16-24. I Macabeus 1: 41-64.
Daniel 8: 14. Dezembro de 165 aC. I Macabeus 4: 36-58. I Macabeus 6: 7-13.
Daniel 8: 15-27.

Daniel 9: 20-27. (24 – De Ciro até Jesus) Tempo de Roma ou AntiCristo.
Daniel 9: 1-2. Jeremias 25: 11. Jeremias 29: 10. Daniel 9: 24-25.

As primeiras 7 semanas (49 anos) são consumidas somente na edificação do templo e da cidade; depois passar-se-iam mais 62 semanas de anos (434 anos) até que o Messias lhe fosse cortado, ou seja, morto, em Jerusalém. (Dan. 9:25-26). Essa profecia estabelece que a ordem de se edificar a Casa do Senhor em Jerusalém, emitida por Ciro (no  retorno judaico do cativeiro babilônico) saiu-se precisamente a 450 anos antes que o Messias (Cristo) nascesse em Belém da Judéia; e, considerando-se a morte de Cristo aos 33 anos, precisamente a 483 anos de sua Crucificação no Calvário.

Daniel 9: 27. (Provavelmente reservada para o tempo do fim).

Apocalipse em Daniel (Pérsia / Grécia)
            Daniel 10: 4-6. (Jesus Glorificado)
            Daniel 10: 12-14. Daniel 10: 20.
            Daniel 11: 1-4. Grécia dividida. Daniel 11: 5-21.
            Daniel 11: 21-23. O homem vil e a quebra da aliança.
            Daniel 11: 31-37.
            Daniel 11: 40-45. Uma definição bem histórica, geográfica e física. (Uma guerra).

Apocalipse em Daniel (O fim dos tempos)
            Daniel 12: 1-7.
            Daniel 12: 8-13.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

O serviço de servir




Eclesiastes 9: 10.
Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque no além, para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma. 

Tudo quanto te vier à mão – Alguém te constituiu, te chamou, te pediu; você mesmo viu a necessidade.
Para fazer – Existem coisas que precisam ser feitas. Trabalho e serviço para fazer.
Faze-o conforme as tuas forças – com tudo o que você puder.
Obra – Projeto – Conhecimento – Sabedoria – Essas coisas existem enquanto estamos vivos.

Encontrando sua “forma de servir”
Talento: Uma habilidade especial de fazer algo. (você usa seu talento em alguma atividade). Dom: Capacidade que o Espírito Santo concede aos servos de Deus para uso em favor dos outros. Vocação: Disposição; tendência predominante numa pessoa. Ministério: Desempenho de um serviço; Exercício de um serviço.
Ministério é diakonia que indica a prestação de algum trabalho e serviço. Ministério = servir.
Quem tem um ministério é um trabalhador, um servo voltado a agradar a Deus com aquilo que faz, com seu serviço. Quem tem um ministério tem o seu foco no próximo, no servir da melhor forma possível com o talento, o dom e a vocação que tem.

Regulamentando seu “ministério”
Romanos 12: 3-8.
3 – Pela graça eu posso ensinar acerca dos ministério.
3 – Não se ache ‘o bom’, ‘o indispensável’. Pense: “Foi Deus quem me pôs aqui”
4 – Nem todos tem a mesma função. (Faça o que você tem pra fazer). Descubra sua função.
5 – Membros uns dos outros. Os membros relacionam-se entre si. (Não disputamos; não invejamos)
6 –  Cada dom deve possuir um “agente moderador”, uma forma de desenvolver, treinar e saber colocar em prática.
6 – Profecia – o anúncio da Palavra de Deus. Seja conforme você crê (vive) essa Palavra.
7 – Ministério – Dedicação em servir. Ensino – da melhor forma possível.
8 – Exorta – dedicação. Contribui – liberalidade. Preside – diligência. Exerce misericórdia – alegria.

1 Pedro 4: 10-11.
Servi uns aos outros de acordo com o dom que cada um recebeu, como bons administradores da multiforme graça de Deus. Se algum irmão prega, fale como quem comunica a Palavra de Deus; se alguém serve, sirva conforme a força que Deus provê...

1 Pedro 5: 2-3.
Pastoreai o rebanho de Deus que está sob vosso cuidado, não por constrangimento, mas voluntariamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores sobre os que vos foram confiados, mas servindo de exemplo ao rebanho.   
* Pastorear – levar a pastar; vigiar no pasto.

Efésios 4: 1-3. A relação entre o viver a vida cristã e o exercício da vocação.
Humildade. Mansidão. Longanimidade. Suportando em amor. Se esforçando.

Declaramos assim...
Você tem valor. Tem um chamado de Deus. Você tem um dom especial.

Miquéias 6: 8.
Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor requer de ti, senão que pratiques a justiça, ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus?   

Parábolas
Os trabalhadores na vinha
Mateus 20: 1-8. Pessoas são chamadas para o serviço o tempo todo.
1-2 – Pessoas que estavam esperando serviço. (de madrugada)
3-4 – Pessoas que estavam desocupadas, na praça. (9h da manhã)
5-6 – Pessoas encontradas às (12h e 15 horas)
7-7 – Pessoas estavam desocupadas até a última hora. (17 horas).
Por que estivestes aqui desocupados o dia todo? – Porque ninguém nos contratou.
O trabalho na vinha é amplo. Plantar; capinar; podar; adubar; construir a parreira; colher; carregar caixa.
Trabalho é quase sempre resolver problema.

Os dois filhos.
Mateus 21: 28-30. Pessoas que falam e pessoas que fazem.
O Pai tem muitos filhos. (Fazer o serviço como filho). Resolve os problemas da vinha.

O serviço na igreja que mais falta mão-de-obra.
1 Timóteo 2: 1-4. Use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graça.
Ezequiel 22: 26-30. Tapar o muro e se colocar na brecha.
Hebreus 10: 19-22. Coragem e liberdade para entrar no Santo dos Santos. (Entrar na sala do trono).
Efésios 3: 14-20. Orar pelos irmãos – um serviço – um serviço que todos nós podemos fazer.
...

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Dons e talentos, serviços e obras




Mateus 25: 14-30.
Talento é uma quantidade de dinheiro equivalente ao salário de um trabalhador por 16 anos.
Talento também é uma quantidade de ouro equivalente a 35 quilos.
14 – Confiou os bens / Ausentou-se.
15 – Cada um recebe o talento conforme sua capacidade.
16-18 – Cada um tem autonomia sobre o talento recebido.
19 – O ajuste de contas.
20-23 – Os talentos se multiplicam. Frutificam.
24-25 – Conhece o Senhor. Tem medo de se aventurar.
26-27 – O talento tem que ser negociado.
28-29 – Mateus 13: 12.

Lucas 19: 11-27.
Mina é uma quantidade de dinheiro equivalente a 100 dias de trabalho.
12-13 – Confiou os bens / Ausentou-se  / Foi tomar posse de um reino e voltar.
13 – Disse: Negociai até que eu volte. A mesma oportunidade para todos.
14 – Existem outros que não são servos.
15 – O ajuste de contas.
16-19 – Uma mina rendeu dez e outra rendeu cinco.
20-21 – Guardou embrulhada num lenço. Nas suas coisas pessoais.
22-23 – Você sabia...
24-26 – O bom negociante recebe mais.
27 – Aqueles que não são servos.

Essas parábolas falam de valores, coisas de valor na vida.
Não enterre o seu talento = não esconda sua mina no lenço.

1 Coríntios 12: 4-11.      (Dons)
4 – Diversidade de dons.                                   5 -  Diversidade de serviços.
6 – Diversidade de obra ou propósito.           7-10 – Todas essas coisas (dons) visam a um fim proveitoso.
11 – O Espírito Santo realiza e distribui conforme Sua vontade e cada um individualmente.

1 Coríntios 12: 12-22.
12 – Os membros do corpo humano são comparados aos membros da Igreja com seus dons.
13 – Somos pessoas diferentes, mas ‘bebemos’ da mesma fonte.
14 – E somos muitos, no mesmo corpo. Há lugar para cada um.
15 – 17 – Encontre sua função, sem ficar paralisado porque não consegue fazer o que o outro faz.
18 – 20 – Deus dispôs os membros conforme Sua vontade.
21-22 – Não somos autônomos ou independentes.

Romanos 12: 3-8.   (Serviço)
3 – Não se ache ‘o bom’, ‘o indispensável’.
4 – Nem todos tem a mesma função. Faça o que você tem pra fazer.
5 – Membros uns dos outros. Os membros relacionam-se entre si. O corpo é invisível.
6-8 – Cada dom deve possuir um “agente moderador”, uma forma de desenvolver, treinar e saber colocar em prática.

Efésios 4: 1-16.     (Obra)
1-3 – Há um modo de se portar para quem tem dom ou vocação.
4-6 – Deve existir a Unidade.                                        7-10 – Jesus levou cativo o cativeiro.
11 – Cinco dons ministeriais.                                        12-14 – Com um propósito que atinge a muitos.
15-16 – “O auxílio de toda junta” e “a justa cooperação de cada parte”.
“Homens de Palavra”